.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Por que o Santos dos Últimos Dias tentam converter os outros?


Os mórmons acreditam que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias contém a plenitude do Evangelho de Jesus Cristo e que essa plenitude não é encontrada em nenhum outro lugar. Assim sendo, sentem a responsabilidade de tornar a mensagem da restauração da Igreja de Cristo disponível a todos que quiserem ouvir. Professam haver recebido o mesmo comissionamento que Jesus Cristo deu a seus antigos seguidores – para ensinar o Evangelho ao povo de todas as nações ( ver Mateus 28:19;20; Marcos 16:15-18; ver também D&C 68:8). Esta é a base do sistema missionário dentro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.
Um presidente da Igreja dos Santos dos Últimos Dias expressou esses pensamentos àqueles que não eram da fé dos Santos: “Vimos não para tirar-lhes a verdade virtude que possuem. Viemos não para encontrar falhas em vocês nem para criticá-los. Não viemos aqui para repreendê-los em razão de coisas que não têm feito; mas viemos como irmãos… e para dizer-lhes: “Conservem todo o bem que possuem, e permitam-nos trazer-lhes mais do que têm, de modo que possam ficar mais felizes, a fim de que estejam preparados para entrarem na presença de nosso Pai Celestial.”
As necessidades
Os Santos dos Últimos Dias afirmam que a resposta aos problemas do mundo – salvação, fome, doenças, crime, desumanidade, e dissolução da família – não será encontrada nos programas sociais ou na legislação. Ao contrário, a resposta encontra-se de que Deus modificará os corações daqueles que têm fé em Jesus Cristo. Existe muito bem sendo feito por pessoas das muitas denominações cristãs a fim de trazer a mensagem de Cristo ao mundo que necessita dela desesperadamente. Os Santos dos Últimos Dias declaram ainda que existe mais verdade a ser conhecida, mais poder a ser exercido, e mais profundo cumprimento e alegria a ser encontrados do que está disponível em qualquer outra igreja. Como um certo líder religioso afirmou: “Procuramos juntar toda a verdade. Procuramos alargar o círculo de amor e compreensão junto de todos os povos da terra. Assim lutamos para estabelecer a paz e felicidade, não apenas dentro do cristianismo, mas para toda a humanidade.”
A mensagem
A restauração do Evangelho aconteceu como uma resposta divina à fome na terra profetizada pelos profetas do Velho Testamento – não fome de pão nem sede de água, mas um anseio em ouvir a palavra de Deus ( ver Amós 8:11-12). A mensagem fundamental do Mormonismo é: Existe um Deus. Ele é nosso Pai Celestial. Jesus Cristo é o divino Filho de Deus e o Messias prometido. A Salvação vem somente através da redenção de Cristo.
Consequentemente existe propósito na vida. Nosso Pai Celestial tem um plano para seus filhos, um plano com a finalidade de trazer paz e alegria a todos os filhos e filhas de Deus através da fé em Jesus Cristo.
Deus, o Pai Eterno, e seu Filho Jesus Cristo apareceram a Joseph Smith na primavera de 1820. Com essa aparição teve início a restauração da plenitude do Evangelho de Jesus Cristo.
Mensageiros celestiais restauraram verdades sagradas e o divino poder. Através desses poderes a Igreja e o Reino de Deus foram novamente restabelecidos na terra.
Deus ama a seus filhos desta era e geração tanto quanto amou àqueles a quem enviou seu Filho a cerca de dois mil anos atrás. O perfeito amor de Deus é manifestado não apenas na preservação da Bíblia, mas também através de revelação moderna, modernas escrituras, apóstolos e profetas modernos ordenados com o poder divino do sacerdócio, e uma organização religiosa inspirada.
A Guardiã
É importante ser uma boa pessoa, uma pessoa de moral, uma pessoa de integridade. Os Santos dos Últimos Dias, entretanto, acreditam que o Evangelho deve significar mais do que apenas fazer boas pessoas. Ele contém o poder de Deus para salvação ( ver Romanos 1:16), o poder de transformar boas pessoas em pessoas semelhantes a Cristo, almas nobres em almas santas. A Igreja de Jesus Cristo é a guardiã do Evangelho. Cristo pessoalmente deu a sua Igreja Restaurada autoridade divina e a verdade para salvação. Assim os Santos dos Últimos Dias não acreditam que alguém possa totalmente vir a Cristo – e participar das bênçãos que Ele oferece – independentemente de (ou em oposição a) Igreja de Jesus Cristo. Eles crêem que existe “um senhor, uma fé, um batismo! (Efésios 4:5) e que os sacramentos ou ordenanças de salvação, administrados pelo sacerdócio possuído pela Igreja Restaurada, são pré-requisitos para se entrar no Reino de Deus.
Em um tempo em que há uma decadência na participação e de acordo com o mandamento escriturístico para se compartilhar o Evangelho de modo que todos possam “vir a Cristo, e serem aperfeiçoados Nele”, (Moroni 10:32), os Santos dos Últimos Dias convidam todos os povos a virem para casa, voltarem para a família de Deus. A Primeira Presidência da Igreja dos Santos dos Últimos Dias declarou em 1907: “Nossos motivos não são egoístas; nossos propósitos não são mesquinhos ou terrenos; nós contemplamos a raça humana, passada,presente e futura, como seres imortais, para cuja salvação é nossa missão trabalhar; e para esse trabalho, tão vasto quanto a eternidade e tão profundo como o amor de Deus, devotamo-nos agora e para sempre.”
——————–
Este texto é parte do artigo “Cristianismo Nos Últimos Dias: Dez Questões Básicas” produzido por Noel B. Reynolds, Professor de Ciências Políticas na Universidade Brigham Young e Robert L. Millet, Professor de Escrituras Antigas na Universidade Brigham Young.

Nenhum comentário:

Postar um comentário