O milagre dos 10 missionários presos pelo tufão nas Filipinas

Por Jesse Hyde, Deseret News Tradução por Arlette Sureda e Yamil Inostroza
MANILA, Filipinas - A água subiu rapidamente.
Na escuridão da noite, Amanda Smith afastou-se da janela para cobrir sua casa chuva forte. Ela tinha fechado apenas momentos antes de a proteger da tempestade furiosa que atacou as palmeiras fora de casa.
Mas agora o vento tinha reaberto e violentamente batendo persianas de madeira na parede e outra vez. Irmã Smith, um missionário mórmon Elk Ridge, Utah, não conseguia ver nada, mas eu podia sentir o cheiro do mar, que parecia estar se aproximando.Eles tiveram que deixar o local.
Eles tinham ouvido falar da tempestade três dias antes de um motorista de riquixá. Foi a temporada de tufões e tempestades tropicais são comuns nas Filipinas. No entanto, o último aviso de tempestade havia produzido nada além do céu azul. Mas alguns missionários estavam se perguntando se desta vez seria diferente.
Capela LDS, nos arredores de Tacloban após Typhoon.  | Foto: Elder Ian S.  Ardern
Capela LDS, nos arredores de Tacloban após Typhoon. | Foto: Elder Ian S. Ardern
Havia nove missionários de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias com eles na casa, uma estrutura de dois andares feita de blocos de concreto. Eles eram jovens em Utah, Alaska e Filipinas, todos da mesma idade, 19.
Eles tinham feito o que podia para se preparar, tinha pressa armado kits de 72 horas e velas comprados e cordas, bem como presidente de missão havia solicitado a fazê-lo, mesmo que ninguém na casa pensei que seria.
Agora, o rugido das águas pelas ruas com ela, a irmã Smith percebeu ou nenhuma preparação é muito pequena. A pior tempestade para esta geração estava prestes a pousar.

Preparando-se para o pior

Mais de 480 quilômetros ao norte, em um apartamento na capital Manila, Elder Ian S. Arden ficou olhando CCN.Um ex-presidente da missão cabelos grisalhos e um sorriso fácil, eu não podia ajudar, mas sinto uma sensação iminente de medo sobre o que estava acontecendo. Na tela, o tufão estava tremendo, um monstro de modo que ninguém pode pará-lo.
Eventualmente ventos atingem 320 quilômetros por hora. Como o primeiro diretor da Presidência da Área das Filipinas, Elder Arden é diretamente responsável por 675 dos 000 membros da Igreja SUD vivo nas Filipinas, particularmente as milhares de pessoas no olho da tempestade em uma cidade de 235 000 habitantes, chamado Tacloban, e seus arredores, bem como toda a população.
Um nativo da Nova Zelândia, já tinha visto a sua quota de tufões e soube em primeira mão do seu poder destrutivo. Eu estava esperando que os membros e os jovens missionários, que, tendo aderido ao seu apelo para se preparar. Dias antes de a tempestade atingiu, seu escritório tinha sido o envio de avisos para os 21 presidentes de missão nas Filipinas, com mapas atualizados regularmente e traçar o rumo do tufão, preparando kits de emergência tinha sido aconselhado a fazer, e obter a segurança, que para muitos membros que significava a capela.
Élder Ian S.  Ardern em Manila, Filipinas | Foto: Deseret News.
Élder Ian S. Ardern em Manila, Filipinas | Foto: Deseret News.
A Presidência da Área pediu a cada presidente de missão chamados quando a tempestade amainou para relatar o dano eo status de seus missionários.
The Elder Arden assistiu a notícia para começar o nascer do sol sobre as Filipinas e deve chegar o primeiro telefonema. Ele estava se preparando para o pior.

Pânico aumento

Irmã Smith sempre quis ser um missionário, mesmo de quando eu era uma pequena criança que cresce em Minnesota, trazendo seus escritos para o primário, aprendendo a tocar músicas como "Sou um Filho de Deus" no piano.
Ele fez seus papéis para a missão assim que ele completou 19 anos. Eu estava animado para ir para as Filipinas. Mas de alguma forma, ela parecia muito delicada para este lugar, com seu alto, magro, pele de porcelana fina.
As Filipinas não eram exatamente limpo, e algumas coisas que tinha tido tempo para se acostumar (arroz em cada refeição, o cheiro sufocante de escape nas ruas congestionadas, duchas frias com baldes, mas também caiu no amor com o lugar) O cheiro doce de manga , a emoção das pessoas e como a linguagem Waray-Waray tinha começado a bater a sua língua.
Um dia, ele estava sentado em um banco para ensinar uma lição sobre um piso cabana e do nada apareceu três filhotes e caminhou ao redor das pernas, do mesmo jeito que veio descansar sobre os ombros de Cinderella e ela pensou: Que lugar é esse mágico?
Ela foi para fora cinco meses, a última área foi San Jose, onde alguns dos moradores mais ricos e os mais pobres de Tacloban, alguns bons departamentos, alguns em barracas de bambu e papelão, lona manchado pela fumaça das chamas a cozinha é tudo que você precisa para um telhado, galos e cães errantes que funcionam ao redor de seus pés.
San Jose está no mar, e poucos dias antes da tempestade, apenas para ser seguro, aqueles que atendem ao presidente da missão (dois jovens, anciãos que ajudam o presidente) perguntou ela e seu parceiro de vir a interior , que é onde eu estava, agora, com nove missionárias, em que rapidamente preenchido com água preta suja.
Departamento das missionárias em Tacloban, sábado 09 de novembro de 2013.  Mostra o orifício através do qual as irmãs escaparam durante o tufão.  | Foto: Deseret News
Departamento das missionárias em Tacloban, sábado 09 de novembro de 2013. Mostra o orifício através do qual as irmãs escaparam durante o tufão. | Foto: Deseret News
Quando a tempestade piorou, eu podia sentir a casa a tremer, o estalar de fora metal e uivando e gritando animais.
Em primeiro lugar, as irmãs estavam todos juntos em uma peça central no segundo andar, pensando que era o lugar mais seguro da casa. Mas a água já estava chegando aos seus joelhos. Barras de metal que cobrem cada janela, impedindo uma saída para o exterior.
Sem outra alternativa que deve ir para o primeiro andar, onde a água quase atingiu o teto e tentar abrir a porta para sair. Eles sabiam que o atual poderia jogá-los no mar, mas se eles permaneceram onde estavam, que teria se afogado no que é essencialmente uma caixa seria paredes de concreto.
A ala para as irmãs entraram na água congelada no primeiro andar.Alguns não sabiam nadar, eles se agarrou a seus companheiros.Alguns começaram a chorar.
Irmã Smith estava com medo também, mas estava determinada a não mostrar isso. Eu queria manter a calma para o resto. A porta da frente estava fechada por uma trava para cima e para baixo.Uma das irmãs estava submersa na água e abriu a trava para baixo, outro levantou a mão e fez o mesmo. Mas quando eu tentei abrir a porta não se moveu. Pressionando a água fora e dentro havia sido selado.
O que tinha vindo a diminuir a um baixo nível de pânico chegou a histeria em algumas irmãs, que começou a chorar e chorar. Irmã Smith podia sentir o pânico crescendo em uma caixa também, mas ela tinha que manter a calma. Juntamente com um par de outras irmãs que se tornaram líderes do grupo, começou a cantar hinos, suas vozes silenciadas pela água suja que vem até o queixo. Citaram escrituras. Orava.
Irmã Smith colocou sobre uma cara brava, sem se atrever a dizer em voz alta o que eu estava pensando: "Eu nunca pensei que este é o lugar onde eu iria acabar com a minha vida."

Olhando para os sobreviventes

Tacloban Mission House, após o tufão.  | Foto: Elder Ian S.  Ardern
Tacloban Mission House, após o tufão. | Foto: Elder Ian S. Ardern
Quando a tempestade deixou, o telefone no escritório de Elder Arden tocou. Um por um, os presidentes das 21 missões nas Filipinas foi chamado, informando que todos os missionários estavam seguros e contabilizados, exceto um. Presidente de Missão de Tacloban nunca ligou.
Enquanto Elder Arden esperado, o telefone tocou.Pai de Idaho e Texas chamado, desesperado por notícias de seus filhos. As mulheres da área presidência respondeu a maioria dessas chamadas, garantindo que os pais têm notícia assim que o faria saber o status de seus filhos missionários.
Mais de 24 horas se passaram e da Presidência da Área não tinha ouvido qualquer palavra do status dos 205 missionários em Tacloban. The Elder Arden estava andando de um lado para o outro quando, finalmente, um e-mail do presidente da missão chegou. Os 38 missionários na cidade de Tacloban estavam seguros. Tinha negociado com funcionários do governo local para enviar um e-mail para o portal de internet só servir o povo. Ele prometeu que, assim que eu achei o resto dos missionários seria em contato.
O serviço de celular ainda era impossível, e seria por dias, não em semanas. The Elder Arden ficou aliviado, mas também preocupado com o resto da missão. A Presidência da Área enviado a todos os funcionários da Igreja em Cebu e Manila (segurança e manutenção do edifício, bem-estar e outros) para ir para Tacloban para procurar membros. Eles viajavam seis horas de Cebu para Tacloban para contar o retorno sobreviventes para Cebu para encontrar um telefone de trabalho ou uma ligação à Internet para fazer um relatório para a sede em Manila, e em seguida, retornar para a destruição de encontrar mais sobreviventes ajudar.
Em uma única congregação mórmon, 95% dos seus membros tiveram suas casas destruídas. Muitos membros da família perdidos, muitos realizados para o mar pela corrente que nunca mais voltou.

Rezando por um milagre

Missionários que escaparam de seu apartamento durante o tufão.  | Foto: Deseret News
Missionários que escaparam de seu apartamento durante o tufão. | Foto: Deseret News
As missionárias trabalharam juntos. Schaap irmã fez um buraco através de uma abertura em uma parede fraca e os 10 nadou a água suja em breve terão suas revistas e roupas, panelas e frigideiras para o mar.Aqueles que não sabia nadar se agarrou firmemente a seus companheiros.
As irmãs usou a corda para chegar perto do teto.Irmã Smith ficou na sarjeta, os outros nove irmãs apertou a mão dele, ainda manteve a chover. Fazia horas que a tempestade havia começado, eo céu ainda estava cinzento em Tacloban, envolta pela neblina.
Irmã Smith disse que os pensamentos de morte deixou a sua mente. Mas algumas das irmãs parecia corpos pálidos e tremendo. A água ainda estava subindo e temia que fosse para mergulhar. Uma das irmãs sugeriu a rezar. Eles amontoados nas proximidades, inclinaram suas cabeças, e com a chuva escorrendo em seus queixos, pedia a Deus para parar a água.
Então, em que a irmã Smith só poderia descrever como o maior milagre da vida, o mar parou de subir.

O resgate

No momento em que veio a Tacloban Elder Arden quatro dias depois da tempestade, a água tinha recuado, deixando uma cena repugnante de destruição em seu rastro. O corpo inchado deitado na estrada expostos, alguns cobertos com um cobertor ou telhados oxidados outro com um pedaço de papelão, com molde. O fedor era nojento.
Em um ponto, a cidade tinha tentado realizar um enterro em massa de 200, mas parou o caminhão quando ouviram as armas. A cidade tinha descido no caos e deboche. Os sobreviventes do tufão tinham saqueado as lojas que foram destruídas para roubar televisores e brinquedos, alimentos, equipamentos de iluminação, mesmo que não havia eletricidade.
Missionários na casa da missão com o presidente da Missão, José Andaya.  | Foto: Elder Ian S.  Ardern
Missionários na casa da missão com o presidente da Missão, José Andaya. | Foto: Elder Ian S. Ardern
Tempo depois da tempestade, aqueles que atendem o presidente havia feito a viagem a pé da casa da missão para a casa onde as irmãs tinham sido. A casa foi destruída, mas teve que chutar a porta para entrar.
Quando encontraram ninguém temia o pior, a sensação de que só cresceu quando um vizinho disse-lhes que tinha visto quatro irmãs de uma escola nas proximidades.
"Era para ser 10", disse um dos anciãos. Encontrado em 10 na escola nas proximidades, e logo aprendeu a história da fuga da casa e passou para o teto, rezando para que alguém encontre.
Com as irmãs gravados, os participantes e de outros missionários designados para os escritórios da missão se espalharam pela cidade, tentando encontrar o resto da força missionária.
Uma nuvem espessa impediu até mesmo executar telefones por satélite, o que significava que os missionários não tinham como se comunicar com os missionários servindo nas áreas periféricas. Mas esses missionários, dizem guiados pelo Espírito e os seus instintos de sobrevivência, encontraram o caminho para a casa da missão. Alguns caminharam durante quatro horas. Outros tomaram uma motocicleta, contando com a bondade de estranhos que não sabem como alimentar seus filhos.Um grupo de missionários se reuniram mais de mil dólares e fez o seu caminho para barco Tacloban. Todos os 205 missionários estavam contados.
As duas assistentes do presidente, um em Dallas e um de Fiji, permaneceu com os 10 irmãos e outros na casa da missão, ajudando uns aos outros, especialmente à noite, quando os tiros foram ouvidos.
Presidente José Andaya, sargento Bryce M.  Elder Ian Clark e S.  Ardern no aeroporto de Tacloban.  | Foto: Elder Ian S.  Ardern.
Presidente José Andaya, sargento Bryce M. Elder Ian Clark e S. Ardern no aeroporto de Tacloban. | Foto: Elder Ian S. Ardern.
Quando a sua própria comida estava acabando, os assistentes, sob a direção do presidente, decidiu que deveria tomar o caminho para o aeroporto.Portanto, antes de amanhecer, quatro dias depois da tempestade, mas novamente em uma tempestade, eles foram com seus faróis que mostram o caminho através da escuridão.
"Essa foi a coisa mais difícil", disse um participante."O pessoal estava com fome começaram a atacar uns aos outros. A pior parte foi o cheiro, o cheiro da morte ".
Algumas irmãs, com os pés cheios de bolhas, mal conseguia andar. Saques tornou-se mais grave, e os missionários tinham ouvido dizer que os prisioneiros na cadeia, eles não tinham energia elétrica e sem guardas estavam chegando.
Os participantes ficou na frente e de trás da longa linha de missionários (dezenas e dezenas) para fazer a longa marcha para o aeroporto.
Enquanto caminhavam, Elder Arden tentou organizar um vôo para fora. Eu tinha reservado voos para Manila, mas milhares de outros sobreviventes haviam invadido o aeroporto de Tacloban. O agente de viagens disse que se eu quisesse um voo com partida, teve que pagar mais para ter seus 205 missionários segura. Ao olhar para outras opções Elder Arden, missionários circulou por todo o que restou do terminal aéreo, suas paredes foram sopradas pelo vento da tempestade. E então um milagre final.
Evacuandos em C-130 aeronaves.  | Foto: Elder Ian S.  Ardern
Evacuandos em C-130 aeronaves. | Foto: Elder Ian S.Ardern
Um sargento do exército com um C-103, atribuído pelo governo dos Estados Unidos para obter os americanos na área do desastre, disse que tinha a sensação de que eu estava andando pelo terminal novamente. Ao fazer isso, um vislumbre do que parecia ser a placa de um missionário Mórmon.Sargento, o próprio missionário Mórmon perguntou se eles eram americanos. Quando ele disse que sim, o sargento disse que ele poderia arranjar um voo para todos os EUA e estrangeiros em seu C-130.
Antes que o dia terminasse, Elder Arden tinha sido onde muitos dos missionários estavam voando de Tacloban. Para o fim de semana, todos os missionários na área seriam evacuados para Manila, onde se espera uma nova missão em outra missão nas Filipinas.

O caminho a seguir

É tarde de sábado em Manila, uma semana após a tempestade, o ar é quente e pegajoso.
Irmã Amanda Smith e os outros nove sobreviventes estão sentados em um banco nos jardins bem cuidados do Centro de Treinamento Missionário das Filipinas, falando com uma equipe de televisão de Nova York. Eles foram informados de sua história de sobrevivência e resistência vai inspirar milhões de pessoas.
No entanto, ainda é difícil para a maioria deles falam sobre as suas experiências e as coisas que viram. Eles dizem que despertar pesadelos de terror. E assim, da mesma forma que fez durante a tempestade, cantar hinos e orações em silêncio, à espera de paz e uma capacidade de ir além do horror do que eles testemunharam.
Todos os 204 missionários evacuado e Élder ea irmã Nielson, Élder ea irmã e Presidente ea irmã Ardern Andaya.  Foto: LDS Newsroom, Filipinas.
Todos os 204 missionários evacuado e Élder ea irmã Nielson, Élder ea irmã e Presidente ea irmã Ardern Andaya. Foto: LDS Newsroom, Filipinas.
E, no entanto, há uma parte deles querem voltar, para ajudar os membros e não-membros da mesma forma, aqueles que ainda estão presos. É reconfortante saber que a Igreja nunca deixou de olhar para aqueles que estão perdidos, e que nas próximas semanas os oficiais da Igreja, a partir de Salt Lake e através das Filipinas, continuar a enviar alimentos e suprimentos médicos, cobertores e tendas para as áreas mais afetadas pelo tufão, para prestar assistência aos filipinos, se mórmon ou não, parte da operação de resgate, que inclui dezenas de organizações não-governamentais (ONGs), grupos religiosos e governos ao redor do mundo .
Quando ele terminou a entrevista com a equipe de televisão, a irmã Smith e as outras irmãs correu para o estacionamento, onde os missionários foram retirados de Tacloban vans que levá-los para suas novas áreas.
Eles se abraçaram e choraram, unidos pela tragédia que nunca vi isso acontecer, mas foi surpreendentemente pronto. Para muitos, as suas missões estão prestes a começar.
"Isso foi uma coisa terrível para testemunhar", disse a irmã Smith. "Mas eu aprendi muito sobre como as pessoas se reúnem para ajudar os outros sem esperar nada em troca. Eu vi outros missionários, e viu o povo filipino. É uma lição que eu espero nunca esquecer. "

FONTE: 

Comentários