As cartas esquecidas de Lorenzo Snow, Albert Einstein e Madre Teresa de Calcutá

Já pensou ter acesso a três grandes conselhos?! Pois é, o Portal SUD NEWS BRASIL teve acesso a um artigo interessante do norte americano Reid N. Moon dono de um livro com com velhos documentos onde ficamos impressionados com a sabedoria, conselhos e preocupação transmitidas pelos autores de três letras particulares. 


Cada carta continha "tesouros escondidos" ou informações valiosas e conselho que poderia beneficiar cada um de nós hoje. Eu digo letras "esquecidas", porque essas cartas nunca foram publicados. Embora as cartas podem ter sido "esquecidas", os indivíduos não são. Eles são figuras históricas bem conhecidas: Lorenzo Snow, Albert Einstein e Madre Teresa de Calcutá.

  
  

Em 1896, Lorenzo Snow foi presidente do Templo de Salt Lake City. Ele tirou um tempo de sua agenda exigente para escrever uma carta (em Salt Lake Temple papelaria) para seu filho LeRoi. Na época, LeRoi foi missionário na Alemanha. Era evidente pelo tom da carta que o Presidente Snow estava se dirigindo a preocupação de LeRoi, sobre a sua falta de sucesso em sua missão. O Presidente Snow deu o seguinte conselho: 

“… Uma coisa que eu queria ensinar a você... Não espere converter toda as pessoas, ou até Você pode ficar desapontado,desencorajado e esgotar suas energias, falhando em cumprir o seu dever e receber a 
aprovação do Senhor e as grandes bênçãos para dar continuidade do trabalho (...) . O Senhor nos diz:'' E, se trabalhardes todos os vossos dias clamando arrependimento a este povo e trouxerdes a mim mesmo que seja uma só alma, quão grande será vossa alegria com ela no reino de meu Pai! . Agora meu caro LeRoi, e se uma só alma que você salvar na sua missão for a sua? "

Uau! Reflita nessa ultima frase!, 
"e se uma só alma que você salvar na sua missão for a sua?",  Esta é uma ótima pergunta para todos os missionários –  tanto os que já serviram, que servem em diferentes missões e para aqueles que desejam servi.




Meio século mais tardeoutra carta foi escrita desta vez por por Albert Einstein á seu filho Eduard – quem ele chamava de "Tete". Quando esta carta foi escrita em 1944, Einstein não tinha visto seu filho desde que tinha  se migrado para os Estados Unidos em 1933 para escapar do Nazismo na Alemanha. Durante seus anos na faculdade Eduard foi diagnosticado com uma doença mental que levou a ser internado com esquizofrenia até o fim de sua vida. Embora Albert Einstein necessariamente não era conhecido por sua habilidades paterna – ele ainda fez um esforço para incentivar e motivar o seu filho, mesmo à distância



Nesta carta, Einstein torna-se filosófico sobre sua idade ao envia recomendações literárias e encorajamento para o seu filho. Albert Einstein escreveu:

“… Espero que você esteja bem (...). Eu li uma coleção de seus aforismos sem saber que foi você que compôs;  fiquei muito surpreso quando descobri quem era o autor. Não  nada mais alegre e satisfatória do que o que você lutou para criar e moldar em melhor forma possível. Sinto que agora, especialmente  que eu estou ficando mais velho e tenho a sensação de distância da vida que as pessoas mais velhas tendem a desenvolver. Depois de ter sido isolado devido à sua doença, talvez você pode relacionar com isto mais do que outras pessoas de sua idade. "

  
  


Albert Einstein termina a carta recomendando a leitura de materiais para inspirar o seu filho a escrever mais. Read Tolstoy’s ‘War and Peace’ and ‘Power of Darkness’ and the Aeschylus  
dramas–especially ‘Prometheus’

 Com Amor, papai

Espero que esta carta possa ser um lembrete para todos nós, onde devemos ser mais atencioso com as nossas famílias e indivíduos a lidar 
com a doença mental. Afirmou Reid N. Moon.



E finalmente, li uma carta escrita por Madre Teresa. Esta carta foi escrita em 23 de julho de 1997, apenas algumas semanas antes de morrer. Esta carta teria sido uma das últimas letras escritas por Madre Teresapara um jovem chamado Richard, de Buffalo, de Nova Iorque  que tinha pedido um autografo da Madre Teresa, em Calcutá, na Índia. Embora ela estava sofrendo com problemas de saúde, ela levou o tempo e esforço para honrar um pedido e ensinar mais uma lição – que deve inspirar cada um de nós. Na carta de Madre Teresa foi escrito um breve um mais um importante conselho. Eis o conteúdo dessa carta:


  
  

Querido  Richard,

Obrigado pela sua carta. Mais importante do que o autógrafo é o que fazemos para Jesus Cristo é através Dele fazemos o bem para os outros. Olhe ao seu redor e veja  são tantos no mundo que são solitárias, indesejados, que não tem ninguém para chamar de seu  talvez 
em sua própria casa. É fácil amar as pessoas de longe. ]
É mais fácil dar uma xícara de arroz para aliviar a fome do que aliviar a solidão e a dor de alguém (vizinho)
sem primeiro amor na nossa própria casa. (...) Oremos.
Deus te abençoe. 
Madre Teresa

Novamente, uma outra frase poderosa, 
''É mais fácil dar uma xícara de arroz para aliviar a fome do que aliviar a solidão e a dor de alguém (vizinho)
sem primeiro amor na nossa própria casa..''



Jesus Cristo disse: “Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (João 15:13). Isso não significa que vamos morrer para demonstrar amor a nossos amigos. Nós damos nossa vida toda vez que colocamos a necessidade de outra pessoa antes da nossa. (E os “amigos” mencionados na escritura acima podem ser interpretados como toda pessoa que encontramos, já que Jesus também nos deu o mandamento “amai-vos uns aos outros”.) 

Elias Rozendo

Comentários